Wednesday, September 17, 2014

· TERRA BOA - Os Sons do Fim do Mundo ·

Olá, amigas e amigos.

Neste mês de Setembro, comemorando o lançamento do novo EP do Through Waves "Songs From Another Gender", eu fui convidada para fazer duas apresentações ao vivo na cidade de Curitiba, e pela primeira vez eu levo ao palco o que eu vinha apresentando pelas ruas com saltimbanco, e o resultado de anos de estudo e pesquisa sobre uma das minhas grandes paixões: música tradicional.



Como é de conhecimento geral para quem tem contato com meu trabalho, eu não tenho o costume de fazer shows. Eu simplesmente não gosto. Existiram algumas raras instâncias em que tentei dar uma chance a isso, mas as experiências não me geraram muito interesse em investir em um concerto envolvendo meu trabalho autoral. Through Waves é, em primeiro lugar, terapia musical extremamente íntima e que diz respeito somente a mim; e a obra compartilhada só pode existir através da gravação, que é o resultado da observação de coisas desequilibradas em minha vida, aceitação, confronto e por fim, exorcismo. A conclusão deste processo é o álbum, que eu ofereço a vocês na esperança de que, através desta documentação específica, alguma mudança positiva possa acontecer em suas vidas, nas áreas que precisam de algum tipo de transformação. Portanto, revisitar este trabalho que já está concluído e serviu seu propósito é semelhante a abrir feridas, fazê-las sangrar novamente e reviver sentimentos de tristeza, desespero e confusão que já não possuem mais função para mim. Não apenas dolorosa, mas esta hipótese também é profundamente obscena, levando em consideração que eu o estaria fazendo em frente a uma audiência. As energias invocadas e os fantasmas trazidos de volta à vida são simplesmente poderosos e nocivos demais, e por já tê-los enfrentado, não há mais ferramentas para controlá-los, e o resultado final seria catastrófico: uma experiência musical de qualidade muito inferior (e incompleta) para vocês, e um baque emocional desnecessário e perigoso para mim.

Contudo, levando em consideração que eu sou musicista e minha paixão é fazer música, não há como negar a importância do contato humano que um concerto gera, e o quão benéfico este momento pode ser para todos os envolvidos, se partir de uma abordagem diferente da citada; e, convenientemente contornando a minha auto-imposta limitação com o meu enorme interesse em música tradicional, eu decidi finalmente colocar em ordem uma pequena parte da extensa pesquisa que há anos conduzo sobre música de vários locais e culturas do mundo através de um especial e intimista concerto chamado "TERRA BOA: Os Sons do Fim do Mundo".

Esta apresentação acústica conta somente comigo, utilizando viela de roda, djembê, harpa e violão e cantando canções de uma vasta gama de origens, resultados da prolífica interação cultural que aconteceu e continua a acontecer em nosso mundo. Explorando o modo como uma determinada tradição musical se mistura com seus arredores e se molda de acordo com os diferentes pontos de vista de outros povos, eu humildemente tento reproduzir estas canções seguindo a mesma proposta: tornando-me apenas um veículo descaracterizado para que elas falem por si, utilizando a ferramenta acústica para respeitar sua origem folclórica e oral. O profundo amor e respeito que nutro por este material vai além de qualquer contemplação "científica" ou "antropológica" que muitas pessoas possuem, e usam para constantemente perpetuar apropriações opressoras e descaracterizantes, contribuindo para a falta de informação, o roubo cultural e a transformação negativa destas culturas. Não, as canções fazem parte da minha vida e da minha formação enquanto pessoa e artista, e passá-las adiante sem a pretensão de me promover como expoente cultural ou intérprete fundamental para a manutenção desta arte é o meu intuito. Há uma inegável e gigantesca beleza contida na expressão musical de todos os povos desta Terra, e quanto mais nós incitamos a sincera troca sem situação de poder hierárquico, mais beneficiamos deste legado que é verdadeiro patrimônio humano. Minha reflexão diante deste tema é esse, e minha pesquisa ocorre da forma mais respeitosa e cautelosa que meus privilégios me permitem, e até o momento, as coisas que descubro através da interação com pessoas cuja origem é a mesma destas canções me enriquece e me esclarece cada vez mais.

O material compilado para "TERRA BOA: Os Sons do Fim do Mundo" possui foco nas tradições Sefarditas, que são provavelmente meus maiores interesses no quesito musical. As outras canções vêm desde a Irlanda, Escócia e Bretanha, até navegar pelas costas do Mediterrâneo, na Trácia, Grécia, Turquia, Bulgária e o Norte da África, no Marrocos; por fim, as influências Africanas presentes na expressiva música Brasileira trazem ao repertório ecos do caminho espiritual que eu sigo na vida, intimamente conectado com o pulsar deste país. Estas relíquias demonstram que há muito mais para nos unir do que nos separar e segregar, já que os sentimentos, emoções, experiências e pontos de vista carregados nelas são parte inegável da pluralidade humana. Nossa Terra é realmente muito, muito boa... E é de todos nós.

O repertório escolhidos para estas duas apresentações que farei, estreando o concerto "TERRA BOA: Os Sons do Fim do Mundo" é o seguinte:

· La Vuelta del Hixo Maldecido/Hixa Mía
Canções de origem Sefardita, da Espanha e Grécia, com verso de "Yo m'Enamorí d'Un Aire" incluso;

· La Mujer de Terah/Avhram Avinu
Duas canções Sefarditas de temática religiosa, abordando o nascimento de Abraão;

· Με Το Φεγγάρι Περπατώ/A Faerie’s Lovesong
Canção Grega do Dodecaneso ligada com canção folclórica da Escócia;

· The Banks of Claudy
De origem Irlandesa, esta canção faz parte da temática "Broken Token" de amores separados;

· Eu Vi Chover/Flores do Mar
Canções da tradição oral da Umbanda;

· Sereia
Canção tradicional do Pará, Brasil, do gênero "Siriá" do norte do país;

· Dos Amantes
Canção de origem Sefardita oriental;

· Γιατί Πουλί Δεν Κελαϊδής
Tradicional da Trácia, região histórica que compreende parte da Grécia, Turquia e Bulgária;

· Bu Bahçede Kimler Var
Canção tradicional da Turquia;

· Breton Andros
Unidos dois notórios Andros, danças tradicionais da Bretanha;

· Ya Viene el Cativo
Canção Sefardita do leste mediterrâneo, sobre os conflitos históricos entre Espanhóis e Mouros;

· La Galana y la Mar
Canção Sefardita de casamento, da Grécia, com verso adicionado de "Arrelumbre", também de casamento, de origem marroquina;

· Bonnie Portmore
Notória canção tradicional Irlandesa, que canta sobre o desmatamento da costa Irlandesa para a produção de navios de guerra.

Assista aos concertos "TERRA BOA: Os Sons do Fim do Mundo" de Through Waves nas seguintes datas (clique para visitar os eventos oficiais no Facebook):



Conto com vocês! Venham celebrar o lançamento do novo EP e estas jornadas culturais comigo!








Fondly,