Saturday, April 19, 2014

· Selado e Outros Perrengues ·

Olá, amigos.

Nesta última semana que passou, eu estive na terrível cidade de São Paulo para participar da peça-monólogo "Selado", de Daniel Ribeiro. Uma mini-temporada de três apresentações, a peça é um projeto completamente independente, e seu tema gravita em torno da miríade de sentimentos relacionados ao ato de se escrever cartas e jamais entregá-las para seus destinos. São as coisas que confessamos para nós mesmos, ou para as sombras, e que acabam por nos consumir sempre que acessamos estes cantos solitários de nós mesmos. Esta ânsia em passar adiante o que palavras só materializaram na privacidade do papel é bastante comum, e foi explorada com franqueza pelo autor da peça; e, projeto completamente independente que é, me interessou ainda mais, e pude fazer parte do processo criativo e ver "Selado" tomar formas muito além do que eu poderia esperar. Foi um prazer imenso poder estar em um palco sob uma perspectiva diferente da musical, um que eu espero experimentar mais vezes.


Meu papel nesta peça foi uma segunda personificação da pessoa lendo as cartas. Enquanto Daniel as lia com palavras e interpretava seu conteúdo de acordo, eu transitava ao seu redor com o hurdy-gurdy, fazendo um pano de fundo musical e agindo como o vazio para qual as palavras eram ditas. Que experiência incrível, ainda mais levando em consideração que eu jamais atuei na vida. Bem, meu papel não foi muito difícil, afinal, eu não tinha linhas... - Mas estar no palco já conta, não é?



 


Fotos: Rodrigo Baroni.

 Tive a oportunidade de conhecer pessoas maravilhosas durante todo este processo, que me acolheram e não mediram esforços para que eu me sentisse à vontade neste contexto todo, afinal, vocês bem sabem o quão avesso eu sou a sair de casa para fazer parte deste tipo de "situações sociais". Gostaria de agradecer imensamente a todos os envolvidos do projeto, a toda a audiência maravilhosa, aos velhos amigos que foram nos prestigiar e toda a atenção que eu e o Through Waves recebemos. Estou aqui de volta em minha cidade e refletindo sobre a relevância enorme de todas estas experiências, e eu fico feliz de estar entregue aos caprichos do Universo, que me leva e traz para onde seu bom julgamento decide, e estar com meu hurdy-gurdy durante estes momentos é tudo que eu poderia desejar.












Fotos: Rodrigo Baroni.

Por mais que eu deteste a energia geral da cidade de São Paulo, a presença de tantas pessoas fantásticas e maravilhosas lá compensa toda a confusão que um ser do mato como eu passa quando as coisas saem dos eixos naquele caos gigante. Eu não vejo a hora de voltar para vocês, meus amigos.

Nos vemos em breve!




Fondly,