Wednesday, January 01, 2014

· Que Diferença Um Ano Fez ·

Hullo, me hearties.

I would like to welcome this new year with a clear slate. 2013 was a year to clean all the wounds of 2012, and this last offering is a closing chapter of all the awful pains of "Schadenfreude"; a last, deep breath to conclude this that has been the most demanding of all my exorcisms.

I trust you remember this particular post. A year later, I have a last word regarding this subject. This digital single is a free release on Bandcamp, so I welcome you all to download it. I hope you all like it, and here's to a new beginning. "Schadenfreude" is no more.


Um ano todo passou
E as raposas se foram
Ah, se eu soubesse o que agora eu sei
Um ano depois
Não serve a nada falar
Você não vai entender
Tudo o que eu poderia dar
O que restou é o que eu já sabia
O que agora é somente meu
Eu continuo cansado
De tanto correr
Toda a água do mundo
Não lavou a sua imundice
Seu fel e mentiras
Não quero saber
Se valeu a pena voltar do lado de lá
Eu não vou esperar mais
Ou projetar os meus defeitos
Do fundo das feridas
Dos ossos tortos e tépidos
O que tiver de brotar, vai
Independente de mim
E os seus brandos desejos:
Meu amor, que doente ilusão
Não sobra nada a dizer
Nem feridas para devolver
Você se foi
Agora está tudo bem
Sem imprudências
Sem desculpas e sem emendas
Eu agradeço
Eu me despeço sem mágoa




Fondly,